• Fabiana de Luna

Ter diabetes e morar na Espanha!


DIABETES E VIAGENS - NÃO TENHA MEDO DE MUDANÇAS!

Oi pessoal! Fazia tempo que não publicava uma entrevista por aqui, né! Mas olhem só...

Eu acho que sou a pessoa com diabetes que tem mais colegas de sala de aula, também com DM1 (e que moram no exterior!) por metro quadrado! hahaha

Depois do Matheus e do Gustavo, apresento o João Gabriel!

Não posso nem dizer que a Engenharia é culpada, pois o DM1 aconteceu em épocas muito diferentes de nossas vidas.... eu na infância (9) , o Gustavo na pré-adolescência (11), o Matheus na adolescência (19), e o João Gabriel depois de adulto (30).

O JG está morando em Madri há pouco mais de um ano, e vai contar como foi sua chegada e tratamento por lá!

Confesso, deu uma pontinha de inveja em saber como é o tratamento do Diabetes na Espanha.... já quero morar lá!

Confira!

Dia(enoite)bética: Fale um pouco sobre você, de onde é, o que faz, etc...

Meu nome é João Gabriel, tenho 35 anos e sou natural de Volta Redonda-RJ, porém mineiro de coração, onde vivi a maior parte da vida. Moro há pouco mais de 1 ano em Madri, sou casado e tenho 2 filhos pequenos (Felipe de 9 meses e João de 2 anos e 5 meses). Sou formado em Engenharia Elétrica porém trabalho na área de TI dentro do setor de Telecomunicações.

Dia(enoite)bética: Nos conte um pouco sobre sua vida e o diabetes:

Há cerca de 5 anos atrás tive uma situação que quase todos DM1 reconhecem. Me lembro que estava em casa durante um final de semana e com uma sede interminável. Bebia muita água e urinava a todo momento, mas imaginava que era devido ao calor. Esse quadro foi se prolongando por alguns dias e decidi ir ao médico (após pesquisar na internet já tinha entendido que provavelmente era diabetes) e perdi aproximadamente 12kg em 2 semanas. Cheguei a um quadro inicial de cetoacidose (me lembro até hoje da dor de extrair o sangue arterial para fazer o exame) mas o meu médico foi extremamente atencioso nas primeiras 2 semanas e fez toda diferença para inciar meu controle.

Comecei o tratamento usando Lantus + Humalog e hoje eu utilizo Toujeo + Apidra. Faço contagem de carboidratos, mas tento manter uma alimentação muito parecida todos os dias para facilitar minha vida..rs

Dia(enoite)bética: Quando decidiu mudar de país, já era diabético? O diabetes te influenciou na decisão de alguma forma? Teve algum receio de viver em um outro país tendo DM?

Sim, já era diabético e isso não influenciou em nada minha decisão. Claro que fiquei preocupado e um pouco ansioso, mas sabia que encontraria um sistema de saúde melhor e mais preparado do que o Brasileiro. Umas das primeiras coisas que fiz ao chegar em Madri foi verificar o que precisaria para comprar Insulinas e Insumos para não ter nenhuma surpresa caso minha documentação demorasse mais do que o planejado.

Dia(enoite)bética: Você precisa comprar insulinas no país onde reside? Ou recebe os insumos do governo?

O medicamento (Insulinas) é uma prescrição anual que o Médico da Família faz no cartão de saúde pública de Madri. É nele que os médicos da saúde pública liberam qualquer medicamento (como uma prescrição eletrônica) que o governo irá subsidiar. Dai basta ir numa farmácia qualquer e apresenta-lo, e efetuar a compra. Eu pago aproximadamente 8 Euros (40 Reais mais ou menos) por uma caixa com 5 canetas de Apidra e uma caixa com 3 canetas de Toujeo ,que equivalem a mais ou menos 1 mês e meio de tratamento, no meu caso. O subsidio do governo é muito bom e chega a mais de 90% para todos!

Para as lancetas, agulhas e tiras é gratuito e eu preciso agendar com a Enfermeira da Família sempre quando está próximo de acabar através de um aplicativo de agendamento de consultas do sistema de saúde público de Madri. Você leva seu Medidor e eles te fornecem até 6 caixas por vez de cada. Eu uso agulha BD 5mm e Lancetas/tiras Onetouch, mas eles possuem material sempre disponível das principais marcas (isso é uma grande diferença do Brasil).

Eu não utilizo bomba de infusão, nem sistema de monitoramento continuo/flash de glicose (ex: Freestyle Libre), mas sei que eles já financiam para menores de 18 anos e planejam expandir (em algumas Comunidades Autônomas / Estados da Espanha já está disponível a todos).

Sempre busco informações no blog https://diabetesmadrid.org/ a respeito de informações especificas de Madri, pois cada comunidade autônoma da Espanha tem suas particularidades.

Dia(enoite)bética: Como faz o acompanhamento da sua DM no novo país. como é encontrar o medico, existe equipe multiprofissional, é público ou particular, quanto custa uma consulta...

Tenho plano de Saúde mas opto por fazer todo meu acompanhamento no sistema de Saúde Público. Tenho médico e enfermeira da Família para acompanhamento geral (como clínica geral) e um médico e enfermeira Especializados em DM1 em um hospital de referência que preciso ir pelo menos a cada 6 meses. Pra ser sincero nesse último ano em Madri fui mais vezes aos médicos e enfermeiros públicos aqui do que em 10 anos no Brasil no sistema privado... tenho que correr de tanta consulta que querem que eu faça. Eles prezam muito pelo tratamento preventivo e é um abismo se compararmos ao Brasil. Não quero nem comentar muito sobre a Saúde Publica do Brasil, pois todos já conhecem a realidade.

O plano de saúde aqui é bem em conta (pago 50% do plano da minha esposa e filhos e acho que me sai por 16 Euros por pessoa, descontado em folha). O plano de saúde aqui na Espanha é barato pois eles te oferecem pouco em relação a saúde publica (apenas mais agilidade nas consultas de especialidades). Além disso na estrutura do sistema público tem o que há de mais avançado (eles dizem que quando o “bixo pega” é um hospital público que pode te salvar).

Como exemplo, uma colega de trabalho recentemente optou por ter o parto do filho em Hospital público mesmo tendo plano de saúde, pois dizia estar melhor amparada... inacreditável, não?!

Dia(enoite)bética: Achou fácil obter ajuda, orientação, etc, aí?

Sim, pois quando você chega precisa fazer toda documentação, cartão de Saúde Pública e passar pela consulta com o Médico da Família. Daí ele vai te encaminhar para tudo que precisar e fornecerá todas informações/orientações necessárias.

Dia(enoite)bética: Como é controlar o diabetes num país que cuja culinária é tão diferente da nossa...

No início era difícil, e depois, a contagem era mais complicada para comidas diferentes. Mas depois algumas semanas me adaptei e sempre tento manter uma alimentação semelhante todos os dias para evitar muitos desvios. Isso, aliado com prática de exercício físico frequente me ajudam a manter a Hemoglobina Glicada (HbA1c) abaixo dos 6. Os vilões aqui são os pães... pra quem gosta muito é uma tentação! Fora isso, no geral, a alimentação espanhola é bem saudável e não tive problemas.

Dia(enoite)bética: Se mora sozinho... Como é viver sozinho em outro país tendo diabetes. Algum medo? Você avisa seus amigos, vizinhos sobre o diabetes e como socorrer em uma situação adversa?

Moro com minha esposa, portanto não tenho esse problema. Apenas tive que avisar aos colegas de trabalho.

Dia(enoite)bética: Uma mensagem pra quem deseja fazer intercâmbio ou mudar de país tendo diabetes?!

Não deixe a diabetes limitar em nada suas decisões. Exige sim cuidado, portanto pesquise e planeje com antecedência para que não tenha surpresas desagradáveis (até mesmo financeira... em alguns países pode sair caro o tratamento se não for subsidiado pelo governo). Busque contato com algum grupo/blog/organização local pois poderão te ajudar muito e fornecer apoio/dicas importantes para facilitar sua adaptação inicial.

#diabetes #diabetestipo1 #intercâmbio #inglaterra #viajandocomdiabetes

432 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo